Newton x Einstein

creative commons flickr
Escrito e enviado por Belmiro Wolski.

Chegando ao céu, Einstein é recepcionado por São Pedro, que o encaminha aos seus aposentos. No dia seguinte, ainda meio aturdido pelos últimos acontecimentos, sai para um passeio, caminhando calmamente pelos jardins envoltos por uma névoa fina e delicada. O lugar é tranqüilo, com pouca gente circulando, todos com uma impecável veste branca.
– Parece que o céu não é um lugar muito povoado mesmo – pensa. Mais adiante, um senhor está sentado em um banco embaixo de uma grande árvore. É uma figura estranha, magro e com uma peruca branca de cabelos encaracolados e compridos. Einstein se aproxima e o cumprimenta.
– Está um lindo dia não?
– O senhor deve ser o famoso Einstein, estou certo? – responde secamente o senhor da peruca.
– Correto. Mas como sabia? – pergunta Einstein, surpreso.
– Foi Ele quem me falou ontem que você estava para chegar.
– Ele quem? Deus?
– E quem mais haveria de ser?
– Então podemos conversar com Ele, senhor, senhor…?
– Newton. Isaac Newton.
-Isaac Newton!! Estou diante de Isaac Newton? Mas é uma honra!
Mas Newton parece estar aborrecido com Einstein e não retribui o elogio. Em seguida pergunta, em tom áspero.
– Então foi o senhor que minimizou a importância das minhas descobertas?
– Como assim, não estou entendendo… – responde Einstein, dissimulando.
– A mecânica newtoniana foi transformada em um caso particular, depois da sua teoria geral da relatividade.
– Puxa, sinto muito se o magoei. Não foi intencional. Sabe como é, a ciência tem que evoluir. Além do mais, cedo ou tarde alguém teria descoberto a mesma coisa.
– Você alterou totalmente o entendimento da gravidade. De onde você tirou aquela idéia de espaço curvo?
– Bem, eu…
– Deixe prá lá. Isso não tem mais importância. Mas eu tinha que falar. Estava engasgado.
– Aceita um mel? – pergunta Newton, tirando um potinho da sacola.
– Não obrigado! Mas a sua teoria é muito importante para a maioria dos casos.
– Obrigado. – e levantando-se com o potinho de mel nas mãos, diz -Agora tenho que ir para minha aula de harpa.
E antes que Einstein dissesse alguma coisa, Newton complementa.
– À tardezinha tem happy hour com Ele no jardim principal. Nos reunimos todo dia para jogar dados. Não quer ir?
– Mas Deus não joga dados! – exclama Einstein, surpreso.
– Isto é o que você pensa! Aliás, é a única coisa que se pode jogar por aqui. Cartas é só lá embaixo. Sabe como é…
– À propósito. Ele me levou para dar uma espiadinha no futuro. Dois mil e pouquinho. Sua teoria está sendo muito usada lá. Utilizam para cálculos em telecomunicações, viagens espaciais, laboratórios de pesquisa e muito mais. Parabéns.
– Obrigado. – responde Einstein, satisfeito.
– Ah, já ia me esquecendo. Tem uma outra teoria que está fazendo muito sucesso por lá. Chamam de teoria das supercordas. E ao que tudo indica, a sua teoria geral é um caso particular desta.
E, virando as costas, Newton se afasta, com um sorriso debochado no rosto, como a dizer – sua teoria também não é completa.
Einstein, encucado, observando Newton se afastar, exclama para si mesmo:
– Humpf. Há séculos aqui e nem harpa aprendeu a tocar ainda.

4 Comments

  1. Saul Pinheiro setembro 14, 2010
  2. kevenny julho 13, 2011
  3. Jão setembro 29, 2011
  4. dimi2 Fevereiro 19, 2012

Escreva um comentario